Desafíos de la formación docente en nutrición

Cleia Graziele Lima do Valle Cardoso, Nilce Maria da Silva Campos Costa, Bibiana Arantes Moraes

Resumen


El objetivo fue investigar formación pedagógica, facilidades y dificultades con la docencia y el porqué de la carrera de profesores del curso de Nutrición de la institución federal de enseñanza superior. Se realizó un estudio cualitativo descriptivo y exploratorio con 11 profesores aplicando cuestionario y entrevista semi-estructurada, analizados por estadística descriptiva simple y análisis de contenido respectivamente. La mayoría de ellos no tuvo formación pedagógica. Tuvieron influencia familiar, antiguos maestros, vocación y necesidad financiera. Facilidades con docencia fueron: dominio del contenido, aptitud para hablar en público, acogida de colegas y gusto por docencia, ya las dificultades fueron inseguridad inicial, relacionamiento con alumnos y colegas, falta de infraestructura y de formación pedagógica. El estudio demuestra la necesidad de proyectos institucionales de desarrollo docente en enseñanza en salud.


Palabras clave


Docencia; enseñanza en salud; nutricionista; investigación cualitativa

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


ARAUJO, E.C.; BATISTA, S.H.; GERAB, I.F. (2013). A produção científica sobre docência em saúde: um estudo em periódicos nacionais, en: Revista Brasileira de Educação Médica, 35(4): 486-492.

BARDIN, L.(2009). Análise de conteúdo. Ed. 2. Lisboa: Edições 70.

BANDALI, K.S.; CRAIG, R.; ZIV, A.(2012). Innovations in applied health: evaluating a simulation-enhaced, interprofessional curriculum, en: Medical Teacher; 34(2): 174-184.

BAKER, L.; REEVES, S.; EGAN-LEE, E.; LESLIE, K.; SILVER, I. (2010). The ties that bind: a network approach to creating a programme in faculty development, en: Medical Education, (44(2): 132-139.

BATISTA, N.A; BATISTA, S.H. (2014). Docência em saúde: temas e experiências. Ed 2. São Paulo: Editora Senac.

BATISTA, N.A. (2005). Desenvolvimento docente na área da saúde: uma análise, em: Trabalho, Educação e Saúde, 3(2): 283-294.

BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. (2010). Lei n° 9394 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: . [26 de outubro de 2012].

BRASIL. Conselho Nacional de Educação/ Câmara de Educação Superior. (2001). Resolução n° 5, de 07 de novembro de 2001. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. Disponível em: . [20 de julho de 2011].

CASTANHO, M.E. (2002). Professores de ensino superior da área da saúde e sua prática pedagógica, em: Interface, 6(10): 51-62.

COSTA, N.M.S.C. (2005). A formação e as práticas educativas de professores de medicina: uma abordagem etnográfica. [tese] São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

COSTA, N.M.S.C. (2009). Formação pedagógica de professores de nutrição: uma omissão consentida?, em: Revista de Nutrição, 22(1): 97-104.

COSTA, N.M.S.C. (2010). Formação pedagógica de professores de medicina, em: Revista Latino-americana de Enfermagem, 18(1): 102-108.

CUNHA, M.I. (1999) O bom professor e sua prática. Ed 8. Campinas: Papirus.

CUNHA, M.I. (2014). Aprendizagem da docência em espações institucionais: é possível fazer avançar o campo da formação de professores?, em: Avaliação, 19(3): 789-802.

CANUTO, A.M.M; Batista, S.H.S.S. (2009). Concepções do processo ensino-aprendizagem: um estudo com professores de medicina, em: Revista Brasileira de Educação Médica, 33(4): 624-632.

DE LONGHI, A.L.; BERMUDEZ, G.M.A; ABENSUR, P.L.D; RUIZ-MORENO, L. (2014). Una estrategia didáctica para la formación de educadores de salud en Brasil: la indagación dialógica problematizadora, em: Interface, 18(33): 759-769.

DUVIVIER, R.J.; VAN DALEN, J.; VAN DER VLEUTEN, C.P.M.; SCHERPBIER, A.J.J.A. (2009). Teacher perceptions of desired qualities, competencies and strategies for clinical skills teachers, em: Medical Teacher, 31(1): 634-641.

FONTANELLA, B.J.B; RICAS, J.; TURATO, E.R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas, em: Cadernos de Saúde Pública, 24(1): 17-27.

FONTANELLA, B.J.B; LUCHESI, B.M.; SAIDEL, M.G.B; RICAS, J.; TURATO, E.R.; MELO, D.G. (2011). Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica, em: Cadernos de Saúde Pública, 27( 2): 389-394.

GARCIA, M.A.A, AILVA, A.L.B. (2011). Um perfil do docente de medicina e sua participação na reestruturação curricular, em: Revista Brasileira de Educação Médica, 35(1): 58-68.

HARDEN, R.M. (2001). Looking back to the future: a message for a new generation of medical educators, em: Medical Education, 45(8): 777-784.

LAZZARIN, H.C.; NAKAMA, L.; CORDONI JÚNIOR, L. (2010). Percepção de professores de odontologia no processo de ensino-aprendizagem, em: Revista Ciência e Saúde Coletiva, 15(1s): 1801-1810.

MANCEBO, D. (2007). Trabalho docente: subjetividade, sobre implicação e prazer, em: Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(1): 74-80.

MINAYO, M.C.S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Ed 14. São Paulo: Hucitec.

NILSSON, S.N.; PENNBRANT, S.; PILHAMMAR, E.; WENESTAM, C.G. (2010). Pedagogical strategies used in clinical medical education an observation study, em: Medical Education, 10(9): 1-10.

OLIVEIRA, G.S.; KOIFMAN, L. (2013). Uma reflexão sobre os múltiplos sentidos da docência em saúde, em: Interface, 17(44): 211-218.

OLIVEIRA ,C.C.; VASCONCELLOS, M.M.M. (2011). A formação pedagógica institucional para a docência na Educação Superior, em: Interface, 15(39): 1011-1024.

PAPI, S.O.G.; MARTINS, P.L.O. (2010). As pesquisas sobre professores iniciantes: algumas aproximações, em: Educação em Revista, 26(3): 39-56.

PERIM, G.L.; ABDALLA, I.G.; AGUILLAR-DA-SILVA, R.H.; LAMPERT, J.B.; STELLA, R.C.R.; COSTA N.M.S.C. (2009). Desenvolvimento docente e a formação de médicos, em: Revista Brasileira de Educação Médica, 33(1s): 70-82.

PIMENTA, S.G.; ANASTASIOU, L.G.C. (2002). Docência no ensino superior. Ed 1.São Paulo: Editora Cortez.

POSTAREFF, L.; LINDBLOM-YLÄNE, S.; NEVGI, A. (2007). The effect of pedagogical training on teaching in higher education, em: Teaching and Teacher Education, 23(5): 557-571.

QUADROS, A.L.; SILVA D.C.; SILVA, F.C.; ANDRADE, F.P.; ALEME, H.G.; OLIVEIRA, S.R.; et al. (2012). A formação do professor universitário no percurso de pós-graduação em química, em: Ciência e Educação, 18(2): 209-231.

RODRIGUES, M.T.P.; MENDES SOBRINHO, J.A.C. (2008). Obstáculos didáticos no cotidiano da prática pedagógica do enfermeiro professor, em: Revista Brasileira de Enfermagem, 6(4): 435-440.

RODRIGUES, R.M.; CONTERNO, S.F.R. (2009). Formación pedagógica em la visión de docentes de pregrado del área de la salud em Brasi, em: Revista de Enfermaría Herediana, 2(1): 3-10.

STEINERT, Y.; CRUESS, S.; CRUESS, R.; SNELL, L. (2005). Faculty development for teaching and evaluating professionalism: from programme design to curriculum change, em: Medical Education, 39(2): 127-136.

STEINERT, Y. (2010). Faculty development: from workshops to communities of practice, em: Medical Teacher, 32(5): 425-428.

STENFORS-HAYES, T.; HULT, H.; DAHLGREN, L. O. (2011). What does it a mean to be a good teacher and clinical supervisor in medical education?, em: Advances in Health Sciences Education, 16( 2): 197-210.

TARDIF, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Ed 1. Petrópolis: Editora Vozes.

VASCONCELOS, F.A.G; CALADO, C.L.A. (2011). Profissão de nutricionista: 70 anos de história no Brasil, em: Revista de Nutrição, 24(4): 605-617.


Enlaces de Referencia

  • Por el momento, no existen enlaces de referencia


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.